Tudo, mas a menina letras faltando

Letras Populares de Zeze di Camargo e Luciano Letra Sonho de Amor Letra Criação Divina Letra Reggae in Roça (Part. Otávio Augusto e Gabriel) Letra PÃO DE MEL Letra Você vai ver Letra Destino Letra Do Outro Lado da Cidade Letra Eu e meu pai Letra Luar do sertão Letra O lavrador Letra Tristeza do Jeca Letra Como vai você Letra Tá faltando alguém aqui Letra Colheita de milho (Chiquinha ... Djavan - Nem Um Dia (Letras y canción para escuchar) - Longe da felicidade e todas as suas luzes / Te desejo como ao ar Mais que tudo / És manhã na natureza das flores Jeito de menina com beijo que fascina A gente já tem tudo 'a ver' Baby, A noite ta bombando Os casais se beijando Só ta faltando eu e você. Baby, O clima é de alegria Um som que contagia Vem logo, chega pra me vê. Sou eu, Que vem toda linda Sair zua na pista Tô esperando por você Sou eu, Jeito de menina com beijo que fascina A gente já ... Tac tac squindim dum dum essa menina Tac Tac ainda mata um. Ele nos disse uma vez Que nada nos pode faltar Mas pra chegar ate o fim do mes É preciso acreditar. Pra grana ate o fim do mes Todo mundo carnaxe quer rezar Na terra ta faltando tudo jesus Ta faltando emprego. Ta faltando pao Ta faltando luz A situacao ta dificil irmao To pedindo arrego Tac tac squindim dum dum na cabeça Tac tac squindim dum dum na cintura Tac tac squindim dum dum essa menina Tac Tac ainda mata um. Ele nos disse uma vez Que nada nos pode faltar Mas pra chegar ate o fim do mes é preciso acreditar . Pra grana ate o fim do mes Todo mundo carnaxe quer rezar Na terra ta faltando tudo jesus Ta faltando emprego. Ta faltando pao Ta faltando luz A situacao ta ... Tac tac squindim dum dum na cabeça Tac tac squindim dum dum na cintura Tac tac squindim dum dum essa menina Tac Tac ainda mata um. Ele nos disse uma vez Que nada nos pode faltar Mas pra chegar ate o fim do mes é preciso acreditar . Pra grana ate o fim do mes Todo mundo carnaxe quer rezar Na terra ta faltando tudo jesus Ta faltando emprego. Ta faltando pao Ta faltando luz A situacao ta ... Desejo de Menina - Coração Robótico (Letras y canción para escuchar) - Não tenho o que dizer / Fora tudo o que eu disse antes / Não tenho o que temer / Vou levar o jogo adiante / Mesmo parecendo que tem algo errado / Faltando

Interface de carne (eu to traduzindo essa merda e é bem maneiro)

2019.10.18 02:45 Rafaelkb Interface de carne (eu to traduzindo essa merda e é bem maneiro)

Nos experimentos da MKULTRA, a CIA dosou LSD em sujeitos sem seu conhecimento para ver como eles reagiriam. Oque ainda não veio a tona é que o MKULTRA era um projeto intra agência. A CIA criou novos departamentos e os fez ingerir doses regulares de LSD e outros psicoativos para ver como os departamentos iriam divergir e mudar comparado aos departamentos normais.
....
Inteiros projetos e hierarquias foram criadas com todos os involvidos inconscientemente sob influência de LSD. É assim que "cama portal de restrição " e "interfaces de carne" foram criadas. Por uma grandiosa hierarquia psico-mutada. A coisa toda tinha que ser eliminada, mas a tecnologia que ela criou foi revolucionária. O governo dos E.U.A. tentou pacificar o vietnam vila por vila usando o Programa Hamlet Estratégico, basicamente fechando vilas que tinham pouca ou nenhuma influência vietcong. Eles tentaram experimentos mais extremos onde eles isolaram as vilas ou grupos de vilas, não permitindo ninguém a entrar ou sair por períodos acima de quatro anos. Em algumas das vilas, pessoas simplesmente morreram de fome. Em outras, vilas mais auto-suficientes, as pessoas conseguiram passar raspando. Foi notado que em várias vilas em que essa técnica foi tentada, movimentos sociais messiânicos ou millenares começaram a se espalhar. Em 16 incidentes separados, vilas foram capazes de independentemente inventar "interfaces de carne" e "Portais não-eletricos", e foi suposto que essas vilas estavam sendo dosadas com LSD por longos períodos de tempo, e era sua mutação intelectual que permitia esses 'avanços'. As interfaces de carne foram eventualmente destruídas pelo exercito vietnamita do norte com um terrível custo de vidas. ... Estou surpreso que eles usaram submarinos nucleares nas Ilhas Malvinas, considerando a proximidade da batalha em relação a zona de incidente submersa ao redor do chamado portal Artigas. Oque eu entendi é que, o portal foi aberto por causa de experimentos na estação Antártica da CIA no começo dos anos 80, as ilhas Malvinas rapidamente se tornaram o centro de uma pesquisa sobre portais. Sendo submerso, o portal tinha uma enorme zona de incidentes, e segmentava baleias e os detritos sempre eram levados as margens das ilhas. Eles encontraram uma baleia que havia sido segmentada perfeitamente no meio por um disturbio na zona, fazendo um corte perfeito na criatura. Eles tambem encontraram centenas de criaturas "chitinous cruciform ", certamente não terrestres. De qualquer forma, se um submarino nuclear houvesse entrado na zona incidente , poderia ter sido desastroso, mas acho que eles consideraram o risco aceitável. ... Os soviéticos designaram grandes porções dos campos da Ucrânia como "populações de colheita". Basicamete, sua comida e água era dosada com LSD e eles alcançaram oque os Soviéticos chamam de "integração". Isto significa que a população local inventou interfaçes de carne de forma independente. O exercito soviético colocou a area sob quarentena e tentou remover as interfaces de carne para uso próprio. Geralmente sem sucesso e com grande perda de vidas.
Muitos soldados e cientistas foram segmentados, como acontecia na zona incidente. Então eles acabavam como pessoas faltando membros, cortados no meio, etc. O interessante é que pessoas podiam viver por até bastante tempo apesar da segmentação. Isso levou os soviéticos a acreditar que as partes que estavam faltando ainda existiam em algum lugar desconhecido. Uma das teorias é que estavam em algum lugar interdimensional. E eles erraram um pouco. ....
Dubai provavelmente tem o maior índice de incidentes com flutuações-livres não-interfaçe que qualquer outra area metropolitana do mundo. Em um incidente, um grande grupo de imigrantes trabalhadores foram segmentados em uma instalação subterrânea. Perfeita segmentação com cortes transversais pela parte frontal. Voce podia ver os pulmões funcionando, comida sendo digerida, sangue sendo bombeado dentro do coração, tudo. Eles sobreviveram quase 5 meses nesta condição. Absolutamente fascinante de se ver pessoalmente. Havia também um grupo escolar de crianças que foram levemente segmentadas, em algumas extremidades do corpo. Não há interfaces de carne conhecidas em Dubai. No entanto, é sugerido que a arquitetura é realmente baseada na geometria da interface e carrega um poder de potencial latente. As segmentações em massa continuam sendo um dos aspectos mais misteriosos das interfaces. Eles parecem mostrar que as interfaces se concentram na carne, fazendo juz ao seu nome. ... Basicamente, quando você olha as histórias do comportamento de Elizabeth Bathury, parece que ela está tentando construir uma interface de carne. Mas é conhecido que, para inventar uma interface de carne, deve-se estar sob a influência de LSD por longos períodos. Como o LSD não tinha sido inventado durante a vida de Elizabeth, provavelmente é apenas uma coincidênca. No entanto, é uma teoria tentadora. ... Obviamente, não consigo definir uma interface de carne em termos de propósito ou composição ou mecanismo. Só posso listar os vários fenômenos que estão relacionados a eles. O maior entre estes é a criação de uma zona de incidente em que os objetos são espontaneamente segmentados, quer dizer, partes dos objetos simplesmente desaparecem, mas os objetos continuam a se comportar como se as partes em falta ainda estão presentes.
Além disso, você vê túneis complexos criados na Terra. Estes foram chamados de "fazendas de formigas". Em interfaces submersas, você obtém organismos cruciformes citines. Estes organismos Sui Generis são pensados para ser o resultado em processos evolutivos que ocorreram em um ambiente diferente da terra. Esta é uma especulação, mas neste caso, eu concordo com ela. Então houve os cilindros metálicos gigantes que aparecem e sofrem segmentação espontânea contínua. Estes são geralmente com 10 metros de diâmetro no mínimo e podem ficar muito maiores, e só ocorrem em interfaces muito grandes, isto é, Portais. Além disso, os fenômenos são muito variados para mencionar, e diferentes para cada interface. ... Muitas pessoas pensam que um portal é simplesmente uma grande interface de carne. Isso é verdade. Um portal é uma grande interface de carne. Mas também é mais do que isso. Um portal é, como o nome implica, uma maneira de enviar objetos entre o local do portal e onde quer que as várias saídas estejam localizadas. (Isto é, as chamadas cidades alien irmãs) Os portais geralmente são, mas nem sempre, acompanhados pelos grandes cilindros metálicos flutuantes. O maior portal acima da água que eu conheço ocorreu na Nova Zemala e existiu por várias semanas antes de ser destruído pelos russos com a "Tsar bomba". Neste caso, os cilindros metálicos estavam há milhas de altura e cobertas de recursos raramente vistos em outros cilindros: luzes piscantes, nódulos e até coisas que chamavamos de antenas. Eles assumiram uma aparência muito artificial. Isto é, eles parecem ser construídos em tecnologia em vez de fenômenos que ocorrem naturalmente.
Os próprios cilindros são artefatos sendo enviados através dos portais? Ou eles são fenômenos criados pelas interfaces de carne da mesma forma que o gigante cogumelo de fumaça é criado por uma explosão nuclear? Isso não está claro. Eu queria poder mostrar fotos de vocês, cilindros Novaya Zemlya. Eles realmente eram lindos, levantando milhas no ar ártico, como grandes torres alienígenas, tingidos pela vastidão das distâncias envolvidas. Embora tenha sido certamente necessário destruí-los, e temos uma grande dívida para os esforços incansáveis dos sovieticos para destruir a interface, às vezes eu queria que ainda estivesse lá. Pelo menos então, haveria algo, alguma evidência. ... Em resposta ao que a CIA tinha "realizado" com sua estação antártica em Artigas, os soviéticos construíram uma estação maior em Novaya Zemlya no ártico. 30 mil prisioneiros e uma concentração de gás excepcionalmente pura criou uma interface de carne que passaram por todas as sete etapas em menos de treze minutos e se tornaram um portal completo. Dentro de um dia, os típicos cilindros metálicos flutuantes foram visíveis, e dentro de 3 dias estavam se estendendo milhas para o céu. Os soviéticos rapidamente perceberam que o portal estava crescendo fora de controle. Em instâncias anteriores, eles simplesmente teriam bombardeado o local do ar. Mas neste caso, os enormes cilindros e zona de incidente, se estendendo ate a borda do espaço, impossibilitava isso junto com ataques de mísseis. Havia também uma zona lateral de incidência excepcionalmente grande ao redor do portal, com segmentação ocorrendo a quilômetros de distância do local. Alarmado com o crescimento descontrolado da zona e o crescente túnel subterrâneo (também conhecido como "fazendas de formigas") os soviéticos trabalharam fervorosamente para construir uma bomba de hidrogênio de poder sem precedentes, que poderia ser detonada do lado de fora da zona de incidente e ainda derrubar o portal. A taxa constante de crescimento na zona de incidentes forneceu um prazo exato, que eles conseguiram cumprir com apenas duas horas de sobra. Um pouco mais tarde, a bomba não poderia ter sido colocada de modo a desmoronar a interface. Em suma, o mundo chegou em duas horas sendo submetido a uma interface de carne descontrolada e talvez ao fim da civilização como a conhecemos. Antes do colapso do portal, no entanto, os soviéticos haviam adquirido conhecimento em primeira mão de uma das chamadas cidades irmãs. Em outras palavras, alguém entrou no portal e voltou. ... Sempre achei o sonho de Lisa um bom ponto de partida ao tentar entender os efeitos psicológicos da "viagem". Lisa era uma menina de 9 anos enviada pela interface Groom Lake em 1975. A interface Groom Lake se conecta à chamada Cidade das Irmãs (tecnicamente, "locus persistente"), conhecida como "Os Templos Suspensos". Ela ficou lá por 5 dias no tempo normal, mas apenas 48 segundos além-do-tempo, uma discrepância acentuada. Ao retornar, ela não se lembrou de nada além de ficar sonolenta por um momento. Ela dormiu bem naquela noite e, pela manhã, contou um sonho aos médicos, antes de morrer mais tarde naquele dia. Uma transcrição direta do áudio de sua entrevista: " Era primavera e chovia o dia inteiro, mas a chuva parou logo antes do pôr do sol. Então, todas as nuvens estavam planas e o céu estava realmente laranja. E a grama estava toda molhada de chuva e havia vagalumes ao redor, e estavam lá em cima, lá no céu, e eram grandes. E eu e minha vó saímos para essas colinas, passando pela periferia da cidade, e embaixo das colinas havia pessoas dormindo. Não em cavernas. Eles estavam enterrados sob as colinas. As pessoas estavam dormindo, mas estavam se abraçando. Famílias, tipo mães e pais e crianças pequenas. Apenas embalados juntos, alguns milhares. As colinas foram explodidas como balões porque estavam cheias de pessoas. Como o estômago de uma mulher grávida. Minha avó me disse para me deitar, mas eu não queria. Ela deitou-se e foi sugada pelo chão. Eu ouvi a voz dela saindo do chão e me dizendo para entrar." ... Seria fácil dizer que os soviéticos descobriram o segredo de sobreviver a "viagem" porque eles eram mais implacáveis, mais dispostos a sacrificar vidas inocentes. Mas não havia realmente falta de implacência por parte da CIA. Foi realmente apenas uma questão de abordagem. Os soviéticos se aproximaram do mistério das interfaces de carne da mesma maneira que se aproximaram do seu programa espacial. Os primeiros seres humanos no espaço (os chamados "cosmonautas perdidos" que nunca foram oficialmente reconhecidos) eram apenas pessoas comuns, escolhidos dos gulags, sem mais controle sobre suas missões do que a cadela Laika. Os americanos, por outro lado, começaram com homens profissionais, geralmente das forças armadas. Da mesma forma, quando foi descoberto que objetos e até animais que entravam na interface da carne ocasionalmente voltavam ilesos, os americanos começaram a treinar homens para entrar nas interfaces. Porque eles selecionavam seus homens de certas fileiras militares, tinham idades semelhantes. Os soviéticos, no entanto, usavam prisioneiros, que tinham uma faixa etária muito mais ampla, e assim conseguiram descobrir a correlação essencial: quanto mais jovem uma pessoa, maior a probabilidade de sobreviver a "viajem", e maior o tempo que eles sobreviveriam após a viagem. Eles descobriram que pessoas com uns 20-e-alguma-coisa eram muito mais prováveis de sobreviver (embora em um estado horrivelmente alterado ") do que pessoas mais velhas. Eles descobriram que as pessoas nos seus vinte e poucos anos se saíam melhores do que aqueles com mais de vinte. Os adolescentes se saíam ainda melhores. Então, apesar de toda a computação moral, era realmente uma questão de tempo antes de enviar uma criança. E foi apenas depois que a primeira rodada de crianças que eles tiveram uma pequena idéia do que estava no "outro lado". ... Até encontrarmos a vila, suspeitávamos que os detectores fossem apenas acessórios. Ninguém acreditou que iria ser assustador. Apenas brinquedos dados pelos caras da CIA para nos tranquilizar. 3 dias através da selva, e esses detectores não detectaram uma maldita coisa. Mas antes mesmo de vermos a primeira cabana, as agulhas em todos os detectores começaram a se mover em uníssono. Se eles fossem brinquedos falsificados, seria um efeito especial legal. As agulhas balançaram para frente e para trás e todas as pequenas caixas de metal deixaram esse assustador ooaaoaaaaooo som em uníssono, como um coral escolar. Bem estranho. Nós desligamos eles. Como instruído, tratamos todas as vietnamitas como combatentes, e matamos todos eles. Embora não houvesse nenhuma resistência. Alguns tinham armas, mas a maioria estava desarmada. Nenhum lutou de volta. Eles nem sequer correram. Eles estavam apenas sentados ao redor, descansando embaixo do sol, e nós atiravamos neles onde os encontrávamos. Trabalho sombrio. E muito estranho. Isso provavelmente nos assustou mais do que os detectores. Era como se estivessem esperando para morrer. Depois de limpar a aldeia, não sabíamos o que fazer. Então, ligamos um dos detectores e andamos por aí para ver o que que estava rolando. O detector começou a ficar louco em torno de uma das maiores cabanas no meio da aldeia. Nós já tínhamos limpado ela, mas nós entramos novamente. Havia um grande altar no interior, com velas e budas e placas de ouro com letras e merdas. Achamos que talvez uma das estátuas de Buda estivesse acionando os detectores, mas não. A cabana estava muito quente e abafada. Mesmo para os padrões incrivelmente úmidos do Vietnã, era incrivelmente, incrivelmente úmido lá. Até as estátuas de Buda estavam suando. Seus rostos estavam literalmente revestidos com gotas de umidade. Todo mundo percebeu que havia algo estranho no ar. Havia algo de errado com a pressão. Então jogamos tudo. Pegamos toda a merda e jogamos fora da cabana. É claro que, quando pegamos a grande plataforma que segurava o altar, havia algo debaixo. Era um poço feito de carne. Talvez um metro e meio de diametro e descendo cerca de cinco metros antes de fazer uma curva e sair de vista. Quando eu digo, "feita de carne", quero dizer, parecia o interior da garganta de alguém. Molhado, avermelhado meio carne. Nós já ouvimos falar que eles estavam construindo túneis, mas isso era ... Nós realmente não conseguimos entender o que estávamos olhando. Estava respirando. A carne brilhante ondulava e este ar quente saiu, e sentia e cheirava como alguém respirando diretamente no rosto. O suficiente para te deixar enjoado. Eles nos disseram que "Nós saberíamos quando vessemos". Bem, nós vimos, e nós sabíamos. Nós passamos as coordenadas por radio e corremos pra cacete. ...
submitted by Rafaelkb to brasil [link] [comments]


2019.06.20 03:25 euamocachorros79 É Brasil

Acorda e lá fora está escuro. Os galos da vizinhança ainda não cantaram, o som mais próximo perceptível, baixo ainda, é a confusão amalgamada das estações de música sertaneja e notícias daqueles que acordaram mais cedo. Desliga o alarme do despertador mas o de dentro da cabeça ainda ecoa, a mulher nega o beijo, novamente, e negará até ele tratar de desfazer o mau hálito matinal. Passa o café no coador de pano enquanto esfrega os olhos, catando remelas. Mais uma vez não tem pão. As crianças provavelmente estavam com mais fome ontem à noite. O café preto aliado ao pensar nas crianças o deixa mais alerta. A maior já está precisando de roupa nova, quase não cabe no vestido de chita que a mulher costurou no curso do sindicato. Sorri ao pensar nos dois meninos, ainda moleques e arteiros mas que agora dormem à espera de um novo dia na escola. Lembra que ainda não escovou os dentes e precisa correr para não se atrasar após a higiene.
A gente quer valer o nosso amor.
Ônibus, duas conduções. Baldeação. A camiseta pinica. Hoje está quente. A marmita com arroz, feijão e farofa, sacoleja na mochila. A indicação do primo é certeira. A construção está nas fundações, trabalho pra mais de ano, talvez dois, com sorte, três. Não pode deixar passar a oportunidade. Foi o presidente quem falou, com sotaque carregado igual ao seu. Homem correto, quer matar os corruptos. Talvez assim as coisas melhorem no país. Se pudesse, mataria também, mas pra isso já tem a polícia e os bandidos. Melhor sujar as mãos com argamassa do que com sangue.
- João da Silva, sim senhor. Eu vim por causa da vaga de servente. Preciso do trabalho, sim senhor. Não tenho documento não, sempre trabalhei por conta, sabe? E paga quanto? É justo, sim senhor.
Antecipa a felicidade da mulher e das crianças ao saber que o pagamento será semanal. Começa amanhã. Na volta para casa, carrega uniforme, botina e EPI que ganhou. O capataz falou que ali todo mundo usa, quem for pego sem, nem precisa voltar no dia seguinte. E sem direito a nada. João sabe que todo capataz fala isso, mas ninguém fiscaliza, ainda mais em obra grande, onde o que importa é fazer o serviço direito e não aparecer bêbado.
-Sim senhor.
A gente quer valer nosso suor.
As crianças chegam juntas em casa, depois da aula, um pouco antes do dia começar a trilhar o caminho entre as cores vivas e o preto. Pede para a filha mais velha ajudar com o banho e o lanche dos menores. Ao chegarem na cozinha, percebem que hoje tem banana, pão, margarina, queijo e até mortadela. A filha sorri orgulhosa para o pai herói. Os meninos comem até arrotar. Todos riem da balbúrdia.
A mãe chega exausta, dia puxado nas faxinas, de manhã num apartamento, à tarde numa casa. A dona do apartamento não pagou, diz que semana que vem acerta. Pelo menos, permitiu que ela almoçasse o que sobrara da refeição. O dono da casa não comprou os panos e material de limpeza corretos. Homem nunca faz as coisas direito. Ela só quer descansar ao chegar em casa, mas ainda tem que lidar com a algazarra que vem da cozinha. O coração quase explode ao saber que o marido conseguiu o trabalho. Beija-o sem se importar com a halitose.
A gente quer valer o nosso humor.
No dia seguinte, Janete só espera a saída de João para reabrir a conta no mercado da esquina. Abastece a despensa com óleo, vinagre, sardinha em lata, macarrão, biscoitos, feijão, arroz, sal e açúcar. Guarda tudo e torce para que o marido, dessa vez, seja honrado, homem com agá maiúsculo, que cuide dela e da prole. Pela manhã, coloca-se a arrumar e limpar a casa, no intuito de esperar o marido com carne na panela para o jantar. À tarde, trabalha com o coração cheio de esperanças. Quem sabe não poderiam comprar uma máquina de lavar roupas, uma televisão para assistir à novela e entreter os meninos, quiçá uma casa, para livrarem-se do aluguel. Janete mostra os dentes alvos ao esfregar a louça dos banheiros e ao passar o pano no chão de porcelanato. Seu humor não poderia ser perturbado nem mesmo pelos tarados que insistem em se aproximar por trás, no trem, na ânsia de sentir suas nádegas. Os cotovelos duros e pontiagudos a protegem.
A gente quer do bom e do melhor.
João nunca soube ler. Aprendeu a fazer contas depois que lhe ensinaram o poder do dinheiro. Ouviu na rua, de um amigo, que com dinheiro se comprava mulher, carro, casa, comida. Intrigado pelo cheiro doce que emanava das meninas e pelas promessas de barriga cheia, procurou arranjar grana o quanto antes. Tentou roubar, mas sentiu culpa. Tentou o comércio mas não sabia vender, nem se expressar de um jeito bonito ou interessante. Até que viu um pedreiro erguendo uma parede. Uma pena ninguém ter ensinado a fazer dinheiro de outro jeito que não através do trabalho. Mas as coisas são o que são.
Trabalhava tanto quanto o corpo deixava. O esforço o transformou num jovem adulto vigoroso e começou a atrair olhares longos das meninas da vizinhança. Não demorou muito para se apaixonar por Janete. O sexo era bom e praticamente o único bálsamo numa vida destinada à dor e ao trabalho. Isso aliado à ignorância acerca de métodos contraceptivos, ele sempre tentava tirar antes de gozar, resultara em três crianças, muito amadas, mas que também precisavam ser cuidadas.
A gente quer carinho e atenção.
As primeiras semanas são de muita labuta e também de grandes mudanças na família Silva. João traz o pagamento inteiro e, sem retirar uma nota, entrega-o à esposa. Mariele, a filha mais velha, exibe um traje novo, de sair aos domingos, que consiste em uma calça justa e uma blusa leve de algodão. Ronaldo e Washington ganham uma bola de futebol de couro, raridade entre a turma do bairro. Aos sábados, João bebe cerveja por somente duas horas, enquanto ouve no rádio seu time disputar a segunda divisão nacional. Janete brilha por dentro ao mostrar para as vizinhas e amigas o fogareiro novo, adquirido em dez prestações, onde prepara o cardápio de casa e as marmitas de João.
Pela primeira vez em meses, não precisam do seguro-desemprego de Janete para fechar as contas. O casal sai para dançar aos domingos, na gafieira, e até as crianças, melhor nutridas, aprendem mais e aumentam as notas. A casa onde moram ganha contornos de lar.
A gente quer calor no coração.
Se antes, quando mal podia segurar as calças para que os fundilhos não ficassem expostos, João era alvo da lascívia das vizinhas, agora então é que recebe piadinhas e indiretas sobre comer fora de casa. Mas Janete é sábia nas lidas do prazer e o trata como um rei, com tanto carinho e cuidado na hora de amar, que ele nem imagina estar entre os lençóis com outra mulher. Não, Janete conhece seus pontos de pressão, onde deve tocar e com qual parte do corpo, para que João retorça os dedos dos pés. Quando satisfeito, se entrega a chupar com gosto os seios de Janete, enquanto passeia com os dedos pelo corpo teso da esposa. Dedicado que é, só para quando a mulher não consegue abafar os gritos de delírio.
A gente quer suar mas de prazer.
Faltando pouco menos de um ano para as eleições gerais, estoura um escândalo de superfaturamento de obras, envolvendo empreiteiras e o governo federal. João ouve apreensivo as notícias mencionarem o nome da empresa para qual presta serviços. Na manhã seguinte, refaz o trajeto que nos últimos três anos garantiu o sustento à família. Ao caminhar as poucas quadras que separam a parada do ônibus e o local de trabalho, sente uma agonia inexplicável no peito. A agonia deixa de incomodá-lo para ceder lugar à tristeza ao ver os portões da obra trancados. Um cartaz afixado à lateral da entrada explica, em letras miúdas, a intervenção da Polícia Federal, Ministério Público Federal e Tribunal de Contas da União. Mas João não sabe ler.
A gente quer viver uma nação
A gente quer é ser um cidadão
submitted by euamocachorros79 to brasil [link] [comments]


2019.06.19 20:22 euamocachorros79 [DQ] É Brasil

Acorda e lá fora está escuro. Os galos da vizinhança ainda não cantaram, o som mais próximo perceptível, baixo ainda, é a confusão amalgamada das estações de música sertaneja e notícias daqueles que acordaram mais cedo. Desliga o alarme do despertador mas o de dentro da cabeça ainda ecoa, a mulher nega o beijo, novamente, e negará até ele tratar de desfazer o mau hálito matinal. Passa o café no coador de pano enquanto esfrega os olhos, catando remelas. Mais uma vez não tem pão. As crianças provavelmente estavam com mais fome ontem à noite. O café preto aliado ao pensar nas crianças o deixa mais alerta. A maior já está precisando de roupa nova, quase não cabe no vestido de chita que a mulher costurou no curso do sindicato. Sorri ao pensar nos dois meninos, ainda moleques e arteiros mas que agora dormem à espera de um novo dia na escola. Lembra que ainda não escovou os dentes e precisa correr para não se atrasar após a higiene.
A gente quer valer o nosso amor.
Ônibus, duas conduções. Baldeação. A camiseta pinica. Hoje está quente. A marmita com arroz, feijão e farofa, sacoleja na mochila. A indicação do primo é certeira. A construção está nas fundações, trabalho pra mais de ano, talvez dois, com sorte, três. Não pode deixar passar a oportunidade. Foi o presidente quem falou, com sotaque carregado igual ao seu. Homem correto, quer matar os corruptos. Talvez assim as coisas melhorem no país. Se pudesse, mataria também, mas pra isso já tem a polícia e os bandidos. Melhor sujar as mãos com argamassa do que com sangue.
- João da Silva, sim senhor. Eu vim por causa da vaga de servente. Preciso do trabalho, sim senhor. Não tenho documento não, sempre trabalhei por conta, sabe? E paga quanto? É justo, sim senhor.
Antecipa a felicidade da mulher e das crianças ao saber que o pagamento será semanal. Começa amanhã. Na volta para casa, carrega uniforme, botina e EPI que ganhou. O capataz falou que ali todo mundo usa, quem for pego sem, nem precisa voltar no dia seguinte. E sem direito a nada. João sabe que todo capataz fala isso, mas ninguém fiscaliza, ainda mais em obra grande, onde o que importa é fazer o serviço direito e não aparecer bêbado.
-Sim senhor.
A gente quer valer nosso suor.
As crianças chegam juntas em casa, depois da aula, um pouco antes do dia começar a trilhar o caminho entre as cores vivas e o preto. Pede para a filha mais velha ajudar com o banho e o lanche dos menores. Ao chegarem na cozinha, percebem que hoje tem banana, pão, margarina, queijo e até mortadela. A filha sorri orgulhosa para o pai herói. Os meninos comem até arrotar. Todos riem da balbúrdia.
A mãe chega exausta, dia puxado nas faxinas, de manhã num apartamento, à tarde numa casa. A dona do apartamento não pagou, diz que semana que vem acerta. Pelo menos, permitiu que ela almoçasse o que sobrara da refeição. O dono da casa não comprou os panos e material de limpeza corretos. Homem nunca faz as coisas direito. Ela só quer descansar ao chegar em casa, mas ainda tem que lidar com a algazarra que vem da cozinha. O coração quase explode ao saber que o marido conseguiu o trabalho. Beija-o sem se importar com a halitose.
A gente quer valer o nosso humor.
No dia seguinte, Janete só espera a saída de João para reabrir a conta no mercado da esquina. Abastece a despensa com óleo, vinagre, sardinha em lata, macarrão, biscoitos, feijão, arroz, sal e açúcar. Guarda tudo e torce para que o marido, dessa vez, seja honrado, homem com agá maiúsculo, que cuide dela e da prole. Pela manhã, coloca-se a arrumar e limpar a casa, no intuito de esperar o marido com carne na panela para o jantar. À tarde, trabalha com o coração cheio de esperanças. Quem sabe não poderiam comprar uma máquina de lavar roupas, uma televisão para assistir à novela e entreter os meninos, quiçá uma casa, para livrarem-se do aluguel. Janete mostra os dentes alvos ao esfregar a louça dos banheiros e ao passar o pano no chão de porcelanato. Seu humor não poderia ser perturbado nem mesmo pelos tarados que insistem em se aproximar por trás, no trem, na ânsia de sentir suas nádegas. Os cotovelos duros e pontiagudos a protegem.
A gente quer do bom e do melhor.
João nunca soube ler. Aprendeu a fazer contas depois que lhe ensinaram o poder do dinheiro. Ouviu na rua, de um amigo, que com dinheiro se comprava mulher, carro, casa, comida. Intrigado pelo cheiro doce que emanava das meninas e pelas promessas de barriga cheia, procurou arranjar grana o quanto antes. Tentou roubar, mas sentiu culpa. Tentou o comércio mas não sabia vender, nem se expressar de um jeito bonito ou interessante. Até que viu um pedreiro erguendo uma parede. Uma pena ninguém ter ensinado a fazer dinheiro de outro jeito que não através do trabalho. Mas as coisas são o que são.
Trabalhava tanto quanto o corpo deixava. O esforço o transformou num jovem adulto vigoroso e começou a atrair olhares longos das meninas da vizinhança. Não demorou muito para se apaixonar por Janete. O sexo era bom e praticamente o único bálsamo numa vida destinada à dor e ao trabalho. Isso aliado à ignorância acerca de métodos contraceptivos, ele sempre tentava tirar antes de gozar, resultara em três crianças, muito amadas, mas que também precisavam ser cuidadas.
A gente quer carinho e atenção.
As primeiras semanas são de muita labuta e também de grandes mudanças na família Silva. João traz o pagamento inteiro e, sem retirar uma nota, entrega-o à esposa. Mariele, a filha mais velha, exibe um traje novo, de sair aos domingos, que consiste em uma calça justa e uma blusa leve de algodão. Ronaldo e Washington ganham uma bola de futebol de couro, raridade entre a turma do bairro. Aos sábados, João bebe cerveja por somente duas horas, enquanto ouve no rádio seu time disputar a segunda divisão nacional. Janete brilha por dentro ao mostrar para as vizinhas e amigas o fogareiro novo, adquirido em dez prestações, onde prepara o cardápio de casa e as marmitas de João.
Pela primeira vez em meses, não precisam do seguro-desemprego de Janete para fechar as contas. O casal sai para dançar aos domingos, na gafieira, e até as crianças, melhor nutridas, aprendem mais e aumentam as notas. A casa onde moram ganha contornos de lar.
A gente quer calor no coração.
Se antes, quando mal podia segurar as calças para que os fundilhos não ficassem expostos, João era alvo da lascívia das vizinhas, agora então é que recebe piadinhas e indiretas sobre comer fora de casa. Mas Janete é sábia nas lidas do prazer e o trata como um rei, com tanto carinho e cuidado na hora de amar, que ele nem imagina estar entre os lençóis com outra mulher. Não, Janete conhece seus pontos de pressão, onde deve tocar e com qual parte do corpo, para que João retorça os dedos dos pés. Quando satisfeito, se entrega a chupar com gosto os seios de Janete, enquanto passeia com os dedos pelo corpo teso da esposa. Dedicado que é, só para quando a mulher não consegue abafar os gritos de delírio.
A gente quer suar mas de prazer.
Faltando pouco menos de um ano para as eleições gerais, estoura um escândalo de superfaturamento de obras, envolvendo empreiteiras e o governo federal. João ouve apreensivo as notícias mencionarem o nome da empresa para qual presta serviços. Na manhã seguinte, refaz o trajeto que nos últimos três anos garantiu o sustento à família. Ao caminhar as poucas quadras que separam a parada do ônibus e o local de trabalho, sente uma agonia inexplicável no peito. A agonia deixa de incomodá-lo para ceder lugar à tristeza ao ver os portões da obra trancados. Um cartaz afixado à lateral da entrada explica, em letras miúdas, a intervenção da Polícia Federal, Ministério Público Federal e Tribunal de Contas da União. Mas João não sabe ler.
A gente quer viver uma nação
A gente quer é ser um cidadão
submitted by euamocachorros79 to EscritoresBrasil [link] [comments]


TRISTE: Ela era ZOADA na Escola, mas agora TUDO MUDOU ... AULA DE DANÇA COM A ELIS ❤ MUNDO DA MENINA TUDO QUE A GENTE SOLETRAR VAI PARA A SLIME! - YouTube AS MENINAS - nada nos faltará Casa ao Lado- Pablo dvd 2011 Luiz Lins - A Música Mais Triste Do Ano (letra) - YouTube Barcelona (LETRA/LEGENDADO) - L7NNON, PK, Mun Ra

NADA NOS FALTARÁ - As Meninas - LETRAS.COM

  1. TRISTE: Ela era ZOADA na Escola, mas agora TUDO MUDOU ...
  2. AULA DE DANÇA COM A ELIS ❤ MUNDO DA MENINA
  3. TUDO QUE A GENTE SOLETRAR VAI PARA A SLIME! - YouTube
  4. AS MENINAS - nada nos faltará
  5. Casa ao Lado- Pablo dvd 2011
  6. Luiz Lins - A Música Mais Triste Do Ano (letra) - YouTube
  7. Barcelona (LETRA/LEGENDADO) - L7NNON, PK, Mun Ra

AGENDA DA TARDE DE AUTÓGRAFOS: ***** 17/08 - 15:00 Livraria Leitura Park Shopping Campo Grande... Episódio Anterior: https://youtu.be/aPk0Sj7vhQU Meu canal T3ddygames Raiz (BETA): http://bit.ly/T3ddyGamesLive Facebook: http://bit.ly/T3ddyGG Playlist compl... 50+ videos Play all Mix - Barcelona (LETRA/LEGENDADO) - L7NNON, PK, Mun Ra YouTube PK, L7NNON, Xamã, Califfa - Acabou [Letra] - Duration: 4:16. here now 4,169,061 views Gootie https://www.youtube.com/channel/UCIuS2rdZ6zlIIIJcgZOp-Nw Divulgue seu trabalho conosco: [email protected] Sua música está no canal e gostaria d... Mas pra chegar ate o fim do mes ... Na terra ta faltando tudo jesus Ta faltando emprego Ta faltando pao Ta faltando luz A situacao ta dificil irmao To pedindo arrego ... As Meninas - Tá Faltando ... mas, da casa ao lado, o rádio a insistir, vai me fazer chorar. Refrão Acho que eu não fico mais um dia sem te ver, ta faltando tudo só por falta de você. Vivo aquela amor que diz na letra da ... Letras: Dudu Marote, Liana Padilha, Tetê Pacheco, Christiane Gribel ... DICAS DE COMO DORMIR BEM MUNDO DA MENINA - Duration: 3:12. Mundo da Menina 950,612 views. 3:12.